Archive for the ‘Equipamento’ Category

Tralha agrupada!

maio 31, 2012

Anúncios

Guarda-corpo ciclovia da Ipiranga (2)

janeiro 18, 2012

Mais uma ideia. Mesmo não atendendo a altura mínima de 1,2m,  porém sendo um anteparo muito menos  rígido e embretando menos o ciclista ao não ser puramente vertical.

Boné de Ciclismo, para todos os gostos!

setembro 27, 2011

Escolha o seu boné preferido aqui, e torça para um dia achar onde comprar! É artigo raro em nossas lojas!

Quadro em madeira

dezembro 5, 2010

   Visualmente não perde em nada para os melhores quadros em fibra de carbono, talvez até mais requintado.

   Com preço de venda entre U$1.500 a U$3.200. Visite o sítio eletronico-> Renovo Hardwood Bicycles!

Air-bag para ciclistas

novembro 24, 2010

Na Suécia é obrigatório o uso de capacete para menores de 15 anos, e com o receio de que a lei seja extrapolada para todas as faixas etárias Anna Haupt e Terese Alstin desenvolveram em conjunto com a Universidade de Lund (Suécia) um air-bag para ciclistas, já que na Suécia os argumentos para não usar a bicicleta são de caráter estético.

Falta de Atenção!

setembro 21, 2010

   Não é raro vermos ciclistas usando o capacete incorretamente! Uma visita a um parque em um final de semana e veremos exemplos de como não usar o capacete.

Segundo Bicipunto em Montevideo

junho 14, 2010

   Como podemos constatar na nossa passagem por Montevideo, o Bicipunto parece estar mostrando resultados positivos, a URUBike convida para a inauguração do 2º BiciPunto.

  Aqui em Porto Alegre tivemos a iniciativa de um Shopping próximo ao Parcão de instalar um bicicletário bem projetado, iniciativas assim devem ser divulgadas, melhoradas e, principalmente, utilizadas!!!

Bike Fit

agosto 3, 2009

Nada é mais importante na compra de um equipamento do que saber se o tamanho que estamos comprando condiz com o nosso corpo. Para isso existe o “Bike Fit”, termo em inglês que significa “Ajuste da Bike”.

Para efetuarmos um Bike Fit bom devemos procurar um bom profissional, porém não existem tantos profissionais deste ramo no Brasil, muito menos ainda quando saímos do eixo Rio-Sp.

Quando pesquisei para comprar minha primeira bike que fui descobrir a existência de tamanhos nestas e depois descobri que achar o tamanho ideal não é fácil.

Visando ajudar os futuros ciclistas vou colocar um tutorial aqui, de um bike fit on-line, que ajudará a definir o correto tamanho de sua bike. Vou explicar para bikes de estrada, mas no mesmo site existe para as Mountain Bikes.

A ferramenta encontra-se no seguinte endereço eletrônico: Competitive Cyclist.

Você precisará de 8 medidas para indicar seu tamanho ideal de quadro e posicionamento inicial. Para medir de maneira correta você precisará da ajuda de outra pessoa. Não há problema em medir 2-3 vezes e depois efetuar uma média. Lembre-se de que a precisão da ferramenta está diretamente ligada a precisão das suas medidas. Demore o quanto precisar, mas tente medir o melhor possível.”

O primeiro passo é indicar o sexo (Gender): Masculino (male) ou feminino (female).

Unidades de medida (Units of measure): Centimetros (centimeters) ou Polegadas (inches). Centímetros é o que estamos mais acostumados no Brasil.

Feito isso aperte em Get Started.

Primeira medida: Inseam (aka cavalo):

Coloque suas meias e bermuda de ciclismo para determinar essa medida. Deixe seu pés afastados um do outro cerca de 20cm, mais ou menos a distância que ele ficam um do outro quando nos pedais, de costas para a parede e com o auxílio de um nível. Coloque o nível entre suas pernas e force em direção ao perínio tão forte quanto quando se está sentado no selin. Meça a distância do topo do nével até o chão. Essa medida é o inseam, para maior precisão meça várias vezes e faça uma média (anote inclusive os milímetros). Coloque o valor no campo destinado a inseam (em centímetros se selecionou centímetros antes).

Aperte em Continue to the next measurement

Segunda medida: trunk.

Sente em um banquinho de costas para a parede, pressione suas costas contra parede e certifique-se de que estejas retas. Com o auxílio de um nível meça a distância do seu ombro (aquele ossinho saltado a uns 3 cm do braço – como na foto do site) até o banquinho. Meça mais de uma vez e dos dois lados e faça a média para maior precisão. Coloque o valor encontrado no campo destinado.

Aperte em Continue to the next measurement

Terceira medida: Forearm

Pegue um objeto cilíndrico (mais ou menos da grossura do guidão) e segure na vertical com o dorso da mão voltado para fora. Meça a distância do centro do objeto ao centro do cotovelo (este na posição 90º). Meça em ambos os lados, mais de uma vez e …

Forneça o valor ao site e aperte em Continue to the next measurement

Quarta medida: Arm

Com o auxílio do mesmo objeto da quarta medida meça o comprimento do seu braço, do centro do objeto até o meio do ombro. A regra da média ainda é válida. Anote o valor e aperte em Continue to the next measurement.

Quinta medida: Thigh

Sente novamente no banquinho, de costas para a parede, com as costas bem encostadas na parede. Meça a distância da parede até a frente do seu joelho (como na figura do site). Coloque o valor e aperte em Continue to the next measurement.

Sexta medida: Lower leg

Ainda sentado no banquinho meça a distância do chão até o topo da coxa, meça paralelo ao centro da canela. Coloque o valor e aperte em Continue to the next measurement.

Sétima medida: Sternal notch

Em pé, meça a distância do chão até o centro daqueles dois ossinhos que temos entre o pescoço e o peito (foto explicativa no site). Anote e aperte em Continue to the next measurement.

Oitava medida: Total body height

Em pé novamente, coloque o nível sobre sua cabeça e meça a sua altura até o chão. Como para todos os itens, a média dos valores é bem-vinda. Coloque no formulário.

Agora você tera algo parecido com isso:

ccVocê pode editar as medidas diretamente antes de apertar em continue to the next measurement.

Ao preencher todos os dados e clicar em continue to the next measurement você irá para uma tela com o resultado do seu bike fit.

Explicação sobre as medidas:

Seat tube range c-c: Altura do tubo do selin medido do centro do movimento central ao centro do tubo superior. No caso de quadros sloping não levar muito em consideração essa medida.

Seat tube range c-t: Altura do tubo do selin medido do centro do movimento central aotopo do tubo superior. No caso de quadros sloping não levar muito em consideração essa medida.

Top tube range: Comprimento do tubo superior, medido do centro do canote ao centro da caixa de direção paralelo ao solo.

Stem length: Comprimento da mesa, levando em consideracão que se use ela da maneira mais plana possível, e não virada para cima.

BB-Saddle position: Altura do selin, medida do centro do movimento central ao topo do selin, acompanhando a inclinação do tubo de selin.

Saddle-handlebar: Distância entre o nariz (ponta) do selin até o centro do guidão.

Saddle setback: Importante para não sobrecarregar musculos e articulações, é a medida do recúo do selin. Mede-se como auxílio de um plumo, é o quão para tráz do centro do movimento central a ponta do selin deve estar.

Sobre os estilos de Bike fit:

The Competitive Fit

Tem esse nome pelo fato da loja ter notado que é o que a maioria dos clientes busca em suas bikes. É o fit mais agressivo dos três e é destinado aquelas pessoas que querem competir, andar rápido e é claro que tenham boa flexibilidade para se sentir confortável nessa posição.

The Eddy Fit

Para aqueles que acham o competitive fit muito desconfortável, ou não esperam competir e dão mais enfâse ao conforto, esse é o fit mais adequado e tem esse nome por ser parecido com o estilo que o grande caníbal pedalava.

The French Fit

O fit Francês é para aqueles que desejam fazer longas distâncias, como os tão famosos Audax que temos por aqui. Esse fit prioriza acima de tudo o comforto, deixando mais ao lado coisas como uma boa aerodinâmica.

Este tutorial tem o intuito de ajudar na escolha do tamanho ideal de sua bike, mas se possível vá até um profissional para ter maior sucesso. Não há nada pior que andar num quadro de tamanho errado ao seu corpo e as suas expectativas, portanto para gostar ainda mais do ciclismo e aproveitar melhor seu tempo sobre a bike: Use o quadro do tamanho correto!

Abraçø

Vini


Acabou a pilha +[||||0%||||]-

junho 30, 2009

Quem pedala a noite inevitavelmente é um refém das benditas ou malditas pilhas!!!

E elas sofrem da mesma mazela do gás de cozinha, que nunca acaba quando não estamos utilizando-o. Incrível não?!

Pois bem, se tu tens em tua bike farol e pisca, já resduzirás o risco de ficar totalmente invisível, a menos que seja o teu dia de azar, e então, as pilhas irão combinar entre elas de se terminarem ao mesmo tempo.

Caso tenhas a oportunidade de ter pilha apenas para um dos sinalizadores, ou se andás mal de grana e só pode comprar pilha para o farol ou para o pisca, ou ainda se estás pensando em comprar um farol ou um pisca, aqui vai uma dica argumentada para que possas melhor decidir perante a este dilema:

“DÊ PREFERÊNCIA AO FAROL DIANTEIRO”

farolpisca

Argumentos:

1) Nos cruzamentos onde a preferencial é tua o motorista vai lhe ver, e tu não precisarás parar enquanto o beleza toma a sua frente;

2) O automóvel que vai lhe ultrapassar vai ter o farol lhe iluminando e poderá desviar de você;

3) Geralmente as roupas para ciclismo tem faixas reflexivas, ou a própria bike tem algum elemento reflexivo (se não tiver coloque já!!!);

4) Em caso de colisão, a menos pior das situações entre: tu bateres em um carro que se atravessou na tua frente, ou ser colhido por um carro que vem no mesmo sentido que tu, é a segunda opção geralmente é menos grave. Eu mesmo já tive dois acidentes assim e sofri apenas escoreações;

5) O pedestres também poderão te ver e não se atravessarão “tanto” no seu caminho;

6) Se o teu farol é forte o suficiente vai lhe auxiliar em trechos sem iluminação.

Colnago

abril 29, 2009

colnago_logo

Colnago tem um lugar muito especial no coração dos realmente aficciondos por bici. Está grande marca situada em Cambiago, nos suburbios de Milão, Itália está enravada na história.

Tem uma coisa na Colnago que poucas outras fábricas tem. É difícil de colocar o seu dedo, mas um dos maiores fatores de contribuição é o homem que está a frente de tudo isso, Ernesto Colnago.

Mesmo que Ernesto Colnago tenha nascido numa família relativamente pobre em 1932, as riquezas que o cercaram nos seus primeiros anos são melhor medidas em como elas esculpiriam um louco por bike italiano e não em termos de dinheiro. Milão era o epicentro do ciclismo de estrada. O velódromo de Vigorelli tinha uma pequena oficina que pertencia a Faliero Masi sob ele, um homem amplamente conhecido como o pai da bicicleta de corrida moderna. A companhia de bicicletas Gloria, fundada em 1922 por Alfredo Focesi era também em Milão, e foi aqui que Ernesto Colnago inicio sua vida no mundo das bicis.

Ernesto Colnago é do tipo de homem que nunca para de pensar sobre bicicleta. No seu escritório na sede da Colnago tem uma pasta chamada “rabiscos de voo”. Esta pasta contém todas as idéias que Ernesto teve enquanto estava sentado em alguma poltrona de avião. Você não esperaria uma pasta tão cheia – quanto tempo cada um realmente gasta sentado num avião? – mas de fato a pasta pesa como o guia telefonico da grande Porto Alegre. Esse é um homem que acorda pensando na bicicleta, que sonha com bicicleta. Para Ernesto, a bici só fica em segundo plano quando algo diz respeito a família.

No decorrer dos anos Colnago teve alguns dos mais famosos ciclistas no mundo ganhando em cima de suas bikes. E algumas das bikes mesmo se tornaram lenda. Eddy Merckx estabeleceu um novo recorde da hora (a distância que um ciclista consegue percorrer em 1h em um velódromo) em 1972, e aquela Colnago laranja é uma das mais famosas e conhecidas bikes do mundo. O que a faz ela um pouquinho mais especial é o fato de Merckx ter ganho com ela o Tour de France, Giro d’Italia e quatro clássicas – a Milão-São Remo, Liege-Bastogne-Liege, Amstel Gold Race, e o Giro da Lombardia.

Colnago tem uma relação estreita de trabalho com a Ferrari e com o Grupo ATR na Itália. A ATR fornece os tubos de carbono e os cachimbos (do mesmo material) que darão origem à bici do topo de linha da marca, a EPS. Estes tubos possuem a tecnologia Colnago 3PRS onde a parte interna dos tubos possue 3 filamentos, não só de lado a lado mas também na espessura, por todo seu comprimento para adicionar rigidez. Este método só é possível quando a construção se dá por tubos e cachimbos, aliás essa construção concede a Colnago a possibilidade de fazer quadros de tamanhos customizados, coisa que poucas companhias conseguem fazer nos seus quadros top de linha.

Colnago sempre foi uma força, e continua sendo. Suas bicis tem sido pilotadas por alguns dos melhores ciclistas do mundo, e também compradas por algumas das pessoas mais famosas do mundo. Ele presenteou bicis ao Papa João Paulo II, trabalhou em parceria com a ferrari, e construi alguns dos mais interessantes protótipos de bicicletas já vistos. Colnago não é só uma fábrica de bicicletas, é uma parte da história do ciclismo.

Ernesto Colnago

Ernesto Colnago

Theo e Ernesto Colnago e a Colnago EPS Ferrari

Theo e Ernesto Colnago e a Colnago EPS Ferrari